Buscar

Confiança dos Empresários do Comércio reflete cenário crítico do varejo gaúcho

Apesar de forte desaceleração na queda, ICEC-RS de julho mostra pessimismo recorde entre varejistas

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC-RS) de julho apontou para o agravamento no pessimismo do setor. Divulgado pela Fecomércio-RS nesta quarta-feira, dia 22, o índice se encontra no patamar mais baixo desde o início da série histórica, iniciada em 2011, marcando 74,4 pontos. Em relação ao mesmo período do ano passado, as perdas seguem bastante consideráveis: a baixa mensal do ICEC-RS (-2,3%) foi expressivamente menor que a dos meses anteriores, com desaceleração das quedas registradas nos subíndices de condição atual e de investimento, contrabalançadas pelo avanço no subíndice das expectativas, que tiveram aumento após três meses consecutivos de queda. Na análise dos componentes do ICEC-RS, o subíndice de condições atuais (ICAEC-RS) teve queda mensal de 9,5%, aos 43,9 pontos. No mês anterior havia sido registrada baixa de 38,5% e com relação a julho do ano passado houve queda de 51,5%. O subíndice de condições atuais segue evidenciando o cenário desafiador para as vendas do setor com que se deparam os empresários. Além da deterioração das condições atuais da economia, já relatada em meses anteriores, o pessimismo avançou nos indicadores de condições atuais do setor do comércio e também da empresa, reforçando a dificuldade das vendas. O subíndice de expectativas IEEC foi o único dos componentes do ICEC-RS a registrar alta no mês de julho, aos 106,1 pontos. O aumento de 4,8% na margem interrompeu três meses de quedas consecutivas na comparação mensal e, embora esteja em campo otimista, é o segundo pior nível do índice desde o início da série histórica. No que se refere a componente de investimentos (IIEC) do ICEC-RS, houve queda de 7,1% na margem, enquanto no mês anterior houve baixa de 10,8%. “Os empresários do comércio nunca estiveram tão pessimistas desde que essa pesquisa começou a ser feita. Esse é o momento mais difícil que o varejo já enfrentou, a sobrevivência de muitos negócios está ameaçada. O período da sondagem coincidiu com as novas restrições impostas ao comércio na capital gaúcha, onde a pesquisa é feita. Operar com portas fechadas e diante de uma intermitência entre abre e fecha compromete a operação e a geração de receitas e acaba por condenar muitos negócios a um caminho sem volta, em que não há condições para que as portas possam ser abertas novamente”, explicou o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Veja aqui a análise completa do Icecttps://feclink.fecomercio-rs.org.br/cl/PIlGA/BTG/c8fd/Eg6GL_kUwnU/BL_k/NGS86o7UQQ9/1/



© 2020 Rogerio Amaral

Desenvolvido por Ayesha Lebed | branding+design

  • Facebook
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram